Imprimir

Imprimir Notícia

21/02/2019 | 16:02 | Atualizada: 21/02/2019 | 16:08

Moça que matou a prima a facada é condenada a seis anos de prisão

Em sessão do Tribunal do Júri realizada no plenário da Câmara Municipal na tarde desta quinta-feira (21) a ré Amanda de Oliveira Nunes Gabriel, 20 anos, foi condenada a seis de reclusão, em regime inicial semiaberto.

O Conselho de Sentença, composto de quatro mulheres e três homens, considerou a ré culpa de homicídio cometido contra a prima, Elisandra Vitória Cássia de Oliveira, 20 anos, em 2 de dezembro de 2017 no bairro Boa Vista.

Em depoimento no plenário, a ré confessou o crime, disse que estava arrependida, mas alegou que agiu em legítima defesa. Disse que, por conta da ex-namorada Tatiane Oliveira Carvalho, tiveram um desentendimento anterior, mas que o crime não foi premeditado. “Ela veio pra cima de mim com a enxada e me defendi e nisso a faca acabou pegando nela”, disse Amanda.

Tanto o Ministério Público, representado pela promotora Patrícia Manzella Trita, como a defesa da ré, exercida pelos advogados Leandro Teich e Isa Marques Vieira, dispensaram a oitiva das testemunhas, convergiram em tese única, de homicídio simples, e recomendaram aos jurados que rejeitassem as qualificadoras de motivo fútil e de recurso que dificultou a defesa da vítima – morta à facada.

A pena para homicídio simples é de 6 a 20 de reclusão e, como não havia qualificadoras (agravantes), além da primariedade da ré, o juiz Ricardo Augusto Galvão de Souza fixou a pena no mínimo legal, ou seja, seis anos de prisão em regime semiaberto. Mas, como a ré já cumpriu 1 ano e 2 meses e 19 dias de prisão em regime fechado, o juiz concedeu o benefício da progressão de regime para o aberto.

O crime

O crime foi cometido na tarde do dia 2 de dezembro de 2017 durante um churrasco em um sítio no bairro Boa Vista, zona rural de Pilar do Sul.

Segundo o processo, Amanda não tinha sido convidada para a festa, mesmo assim compareceu ao local e se desentendeu com a dona da casa, Tatiane Oliveira Carvalho, 22, com quem teria mantido um relacionamento amoroso.

Durante a confusão, a prima Elisandra, que teria um relacionamento com Tatiane e que havia se ausentado do sítio, voltou e a discussão se acirrou.

Em dado momento, Amanda pegou uma faca na cozinha e partiu para cima da prima, que ainda tentou se defender com uma enxada, mas foi atingida com um golpe certeiro no lado esquerdo do peito, vindo a falecer na Santa Casa.

Amanda foi presa no mesmo dia, confessou o crime e desde então aguardava o julgamento reclusa no presídio feminino de Votorantim-SP.

Agora com a condenação de seis anos, e por ter cumprido mais de um sexto da pena presa, Amanda foi beneficiada com a progressão para o regime aberto e deverá ganhar a liberdade nesta sexta-feira, 22 de fevereiro.
 
 Imprimir