Pilar do Sul - SP, domingo, 19 de setembro de 2021
informe o texto a ser procurado

Notícias / Cidade

10/09/2021 | 16:25

​Com a alta no preço das carnes, salsicha tem se tornado um novo ingrediente das refeições

O alimento já é a estrela dos pratos, mas ainda enfrenta muita desconfiança

Da Redação | redacao@pilarnews.com.br

​Com a alta no preço das carnes, salsicha tem se tornado um novo ingrediente das refeições

Foto: Divulgação / Pixabay

Com a pandemia e a inflação, e após o constante aumento da carne bovina nos últimos 12 meses, o frango também tem se tornado uma proteína de luxo para os brasileiros. De acordo com dados da Associação Paulista de Supermercados (Aspas), o frango ficou 40,44% mais caro no último ano. Os ovos também apresentaram alta, com crescimento de 20% no valor no mesmo período. Com todo esse aumento, os brasileiros foram obrigados a procurar outros ingredientes para complementar a alimentação da família: os embutidos. Mas se tem um ingrediente que costuma dividir opiniões, e gerar inseguranças, é justamente a salsicha, um dos preferidos da população. Mas será que ainda existe algum risco no consumo dessa iguaria?

“A gente precisa levar em consideração que é um embutido, como mortadela e salame. Então, quando você pega a composição desses itens vai ver que é um produto industrializado, que tem conservantes, nitrito, nitrato, corantes”, ressalta Solange Cassar, nutricionista especialista em segurança alimentar e diretora da Normalize Nutrição. “Mas também há muito exagero. A produção passa por rigorosos processos de qualidade em Boas Práticas de Fabricação e não tem aquela fantasia de que vai papelão junto”.

Essa desconfiança com a salsicha não é de hoje. Na verdade, o alimento já foi considerado um dos principais transmissores de botulismo. Para se ter uma ideia, o nome da bactéria, Clostridium botulinum, vem do botulus, palavra em latim para salsicha. Hoje, porém, a percepção é mais positiva nesse aspecto. Sabe-se que a toxina liberada pela bactéria ocorre em locais com falta de oxigênio, sendo a maior incidência em conservas, ou enlatados, sem as devidas precauções. 

Atenção à temperatura

Mas isso não significa que o consumo de salsicha não precise de atenção. Por ser um alimento perecível, é necessário um cuidado especial com a temperatura para evitar a proliferação de bactérias. Como o caminho da fábrica até o prato é muito longo, as etapas precisam ser acompanhadas de perto para garantir a segurança.

“Nos mercados, é obrigatório ter uma planilha de controle de qualidade no recebimento. Toda vez que chega uma carga, é necessário aferir a temperatura e colocar no documento o estado do caminhão, a temperatura do produto, as características do alimento e se ele está com o Selo de Inspeção Federal”, esclarece Solange. “Não adianta ter todos esses cuidados e, na hora de guardar, os colaboradores demorarem. A gente vê isso acontecer, normalmente, no horário do almoço da equipe. Eu mesma já peguei salsicha a uma temperatura totalmente contraindicada, por isso é tão importante que os estabelecimentos invistam na capacitação e no treinamento de seus funcionários”.

O consumidor também precisa ficar atento para diminuir todos os riscos. Como o processo de recebimento ocorre fora da área de vendas, o cliente pode pedir para conhecer os cuidados e os procedimentos adotados pelos estabelecimentos. Além disso, planejar a ordem de compra é fundamental para não deixar a salsicha descongelando no carrinho.

Na hora de comer, não tem segredo. O recomendado é preparar o alimento o mais próximo possível da hora de consumo. Se precisar armazenar a salsicha pronta, o ideal é mante-la a uma temperatura de 60°C.

“Se a gente come algo fora das condições ideais, não significa que fará mal. Na verdade, isso depende muito do momento imunológico de cada um. Duas pessoas podem ingerir a mesma coisa e uma ter reação e outra não”, explica Solange. “Como não temos esse controle, o ideal é garantir que o alimento esteja o mais estéril possível.”

Como todo embutido não é um alimento que deve ser consumido com frequência, é importante buscar outras alternativas para uma alimentação saudável, como receitas ricas em verduras e legumes.

Vanessa Van Rooijen / JF Imprensa

 

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • João 17/09/2021 | 00:00

    É culpa dela sim! É o resto do resto que os frigoríficos aproveitam e o povo pobre de conhecimento e de $, é obrigado a consumir esse tipo de alimentação

  • paulo 13/09/2021 | 00:00

    O cara come um lanchão ,o famoso ML ( morte lenta ) ,cheio de calabresa salgada ,bacon salgado ,mostarda ,ketchup ,maionese e uma salsicha juntamente com uma garrafa de refrigerante. Quando passa a mal bota culpa na salsicha ! Pode isso ? . Problema não é a salsicha ,e sim o resto que acompanha ela!

 
 
Sitevip Internet