Pilar do Sul - SP, domingo, 27 de setembro de 2020
informe o texto a ser procurado

Notícias / Polícia

28/08/2020 | 15:23

Após 10 anos, homem que matou desafeto em saída de baile é condenado pelo Júri

Por Sérgio Santos | sergiosantos@pilarnews.com.br

Após 10 anos, homem que matou desafeto em saída de baile é condenado pelo Júri

O acesso ao Plenário foi restrito por conta da pandemia do coronavírus

Foto: Sérgio Santos / Portal Pilar News

Em sessão do Tribunal do Júri realizada na tarde desta sexta-feira (28), o operador de máquinas Thomas Souza Medeiros, de 29 anos, foi condenado a cumprir seis anos de reclusão, em regime inicial semiaberto, pelo crime de homicídio.
 
O Conselho de Sentença, composto de seis mulheres e um homem, considerou o réu culpado da morte de Patrick Adrian da Silva, então com 19 anos, crime ocorrido na madrugada de 28 de agosto de 2010 (há exatamente dez anos) na rua Ludgero Costa e Silva, na Santa Cecília.
 
Segundo o processo, o réu e a vítima se desentenderam em um salão de bailes e, após a saída, se reencontraram e Thomas sacou um revólver e disparou três vezes contra Partick, que foi atingido no ombro, tórax e virilha e morreu quando era transferido pela ambulância para o Hospital Regional de Sorocaba.
 
Inicialmente, o réu, que ficou foragido por sete anos e que foi preso em agosto de 2018, foi denunciado pelo Ministério Público acusado de homicídio duplamente qualificado, com as agravantes de motivo fútil e emprego de recurso que dificultou a defesa da vítima.
 
Porém, durante o julgamento, o promotor público substituto Vitor Petri, que substituiu a titular Patrícia Manzella Trita, que está gozando de licença maternidade, e a defensora do réu, Sheila Diniz Rosa Santos, dispensaram as testemunhas de defesa e de acusação e convergiram em tese única, de homicídio simples, e recomendaram aos jurados que desconsiderassem as qualificadoras, o que foi seguido por eles.
 
Após o encerramento dos debates e do veredicto dos jurados, o juiz Ricardo Augusto Galvão de Souza proferiu a sentença, que foi fixada em seis anos de reclusão, em regime inicial semiaberto. Mas, como já cumpriu dois anos de prisão preventiva no CDP de Capela do Alto, o réu foi beneficiado com a progressão para o regime aberto, e cumprirá o restante da pena em liberdade.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • MARIA ANGELINA MELLO DE MORAES F RIBEIRO 29/08/2020 | 00:00

    bandido, assassino é paraiso morar nesse pais vergonha como pode tirar a vida de alguem e ficar impune, tenho vergonha dessa vila chamada brasil

  • MARIAH ELISABETE 29/08/2020 | 00:00

    entra governo , sai governo , e nada ninguem pode falar que a justiça foi feita , e por termos uma lei que beneficia o assassino se mata como se mata um pernilongo revoltante e eu n assisto nenhum absolutamente nenhum candidato ou politico pensando seriamente em mexer nas leis o melhor sera parar de votar pelo menos talvez a revolta de apenas assistir seja mais branda , branda igual as leis

  • paulo 29/08/2020 | 00:00

    ai se vê que a vida não vale nada! sem dizer a lentidão da justiça! e os jurados pelo amor de Deus ! mas é assim mesmo! se demora o povo esquece como que aconteceu tudo!

  • Sueli 28/08/2020 | 00:00

    Revoltante isso, como assim cumpre dois anos e restante semi aberto... chocada com a justiça aqui da terra. Eu ñ entendo muito de lei Sérgio Santos más, tenho um pai assassino que é desaparecido e até hoje nunca colocaram as mão nele, inclusive o crime prescreveu... isso há 33 anos atrás por isso me choca essas leis. desculpas pelo desabafo.

 
 
Sitevip Internet